Quadro Roda de Conversa fala sobre Diversidade Sexual

0

O Quadro Roda de Conversa do Santo de Casa da quarta-feira, 25 de maio, recebeu o Prof.º Doutor em Sociologia Túlio Rossi e a graduanda em Psicologia da Universidade Federal do Maranhão, Isabelle Myzmann. Eles falaram sobre a “Diversidade Sexual: os desafios enfrentados pela comunidade LGBT”.

Considerando que vivemos em um mundo diversificado, onde a utopia é poder “ser” aquilo que você realmente “é, sem que isso possa vim a ser uma ofensa social.  Ter possibilidade de amar alguém, seja quem for não ser o motivo para condenações. Onde a liberdade se concentre somente naquilo que é certo, sendo que o certo é o que te faz feliz.

Túlio Rossi é formado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais, é professor do programa de Pós Graduação da Universidade Federal do Maranhão, e ele é Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo, possuindo estudos em gêneros e sexualidade.

Ele trouxe algumas explicações sobre a “heteronormatividade”, que é termo utilizado hoje para designar situações em que as orientações sexuais divergentes da heterossexualidade são marginalizadas e descriminadas. Além de nos explicar como questões de gêneros ou orientação sexual devem ser abordados na escola, mostrando que o deve haver uma desnaturalização do olhar para sexualidade, dando abertura para que possam ser vistas todas possibilidades de relacionamento.

Isabelle Myzmann é graduanda do curso de Psicologia da Universidade Federal do Maranhão, e possui estudos focados na questão do “Ser Mulher”, da sexualidade e dos processos indenitários.

Ela falou muito bem sobre a substituição da palavra opção para orientação sexual, onde deixou claro que, apesar da substituição o ser humano é apto a se orientar sexualmente, desde quando nasce, devido a sua experiência, a sua identidade mas que também poderá optar por múltiplos motivos em qualquer fase de sua vida.

Ao serem questionados sobre como andam o combate a homofobia, eles explicaram que atualmente a sexualidade vem ganhando espaço na mídia, de discussão, onde tem sido importante demonstrar essas novas formas de relacionamentos, dando visibilidade para discussões pertinentes.

Explicaram também que o sistema brasileiro é falido para diversas questões, como por exemplo a sexualidade, onde as crianças são ensinadas não só como devem se comportar correspondente ao seu gênero, como a sua raça. Por isso, que deveria ser um assunto tratado desde a infância para que isso não pudesse ser apenas discutido em espaços, como a academia. Foi pensando nisso que Tulio afirmou: “A Academia tem a possibilidade de formar educadores com a capacidade de discussão sobre este assunto, levando-o para outras gerações.”.

Como tema a ser estudado por Isabelle, ela ainda explicou o que é a Teoria Queer, que não vem a ser uma teoria de identidade, mas uma teoria crítica da identidade onde o gênero é tratado com algo fluido, onde não existem papéis sexuais essencial ou biologicamente inscritos na natureza humana.

E para finalizar, os dois afirmaram que a conscientização e o conhecimento sobre a causa LGBT, é o primeiro passo para diminuir o preconceito, já que a partir do momento em que você passa a tomar consciência sobre a existência da possibilidade de diversas formas de relacionamento, acaba percebendo que isso não fere moralmente ninguém, não sendo um ato criminoso ou patológico.

COMPARTILHAR.

ESCREVA UM COMENTÁRIO